Durma tranquilo!


Não há vitória sem trabalho, mas é bom saber também que às vezes, por mais duro que você trabalhe, a vitória pode não chegar…

Essa frase pode parecer dura, mas não deixa de ser verdade. Quantas vezes você dispendeu uma grande quantidade de energia em um projeto, envolvendo-se de forma verdadeira, mas que acabou não trazendo os resultados que você desejava?

No entanto, nessa hora eu sou obrigado a perguntar: por não ter chegado na vitória todo o seu esforço foi em vão? Você não aprendeu lições valiosas que poderão fazer a diferença para encarar os próximos desafios?

Para aprofundar um pouco mais o assunto recorro ao famoso treinador americano de basquete, John Wooden, que em seu livro comenta que já criticou jogadores que ganharam a partida e, da mesma forma, aplaudiu seus jogadores em momentos de derrota. Para ele, o que define se merecem ser criticados ou aplaudidos não é o RESULTADO do jogo em si, mas a iniciativa que eles possuem para colocar toda a sua energia e o seu talento a favor da equipe e do resultado que ela deseja alcançar.

Ou seja, ganhar ou perder torna-se secundário em uma realidade onde o que importa é os “100% de entrega” que o treinador exige de cada um da sua equipe.

A frase “Durma tranquilo” vem daí. O adversário pode ser difícil de ser batido ou o mercado pode estar ruim pra negócio, mas uma pergunta JAMAIS pode ter um “não” como resposta:

No dia de hoje eu coloquei toda a minha energia e utilizei todo o meu talento para chegar à vitória?

Isso vale para um time de futebol, uma equipe de trabalho ou até mesmo para um profissional liberal. A certeza que deve imperar, no entanto, é que o resultado alcançado é fruto do pleno envolvimento que tivemos com os nossos desafios para, aí sim, sermos merecedores do aplauso que o treinador Wooden mencionou.

———————-

PS: a fórmula do sucesso do treinador Wooden é a seguinte:

Trabalho + Talento = SUCESSO

Não por acaso a palavra “trabalho” vem antes do talento. Assim como o treinador, prefiro pessoas dispostas a dar o seu máximo todos os dias do que “talentos” preguiçosos que não sabem utilizar todas as suas potencialidades. (mas isso já é assunto para outro post…)

 

A virtude para perdurar o sucesso


O segundo post que trago relacionado ao livro de Maquiavel busca relacionar como a virtude pode fazer com que o trabalho seja recompensado.

“Aqueles que, como os que mencionei, fazem-se príncipes mercê da suas virtudes conquistam com dificuldade os seus principados, mas com facilidade os podem conservar”

sucessoO que de fato devemos perceber é que a facilidade em se chegar a uma posição pode, muitas vezes, ser um impedimento para que o sucesso possa ser alcançado. Maquiavel falava de príncipes que chegavam ao poder através da hereditariedade e assim ocorre no Brasil, principalmente no interior do RS. É incrível perceber como as empresas familiares dominam o mercado e crescer nelas, infelizmente, é sempre muito difícil porque sempre existe a barreira do “filho que vai virar dono”. Desta forma, temos o desmerecimento do trabalho por parte dos colaboradores, que mais cedo ou mais tarde percebem que os seus esforços serão quase que em vão, tendo em vista que o posto almejado possivelmente já possui dono.

As pessoas, por conseqüência desta interpretação, buscam locais para trabalhar onde é possível crescer, mesmo que esse crescimento não seja da noite para o dia. Trabalhadores perspicazes entendem que o trabalho traz resultados no longo prazo e que a continuidade do empenho faz com que eles, ao alcançar o posto pretendido, tenham naturalidade para tratar das questões e perdurar o seu sucesso.

É com essa ideia que eu busquei interpretar o trecho. Não se deve valorizar com tamanha entonação o sucesso que veio da sorte de uma jogada bem sucedida. Devemos ter clara a idéia de que tantas empresas são precocemente enterradas porque esperam que a sorte seja a guia do seu sucesso. Por outro lado, empresários que percebem que um caminho um pouco mais longo e baseado em cuidados permanentes terão o sucesso de suas empreitadas, porque entenderam que mais do que uma boa idéia ou um pai dando-lhe abrigo, é preciso ter competência para que o sucesso do passado possa ser transformado em alicerces para o futuro.