Cuidar do que restou – Enchentes RS


A força das águas transformou a vida de milhares de pessoas afetadas pelas enchentes nos últimos dias no interior do RS. Marques de Souza, uma pequena cidade às margens do Rio Forqueta, transformou-se exemplo de como as chuvas estão castigando cada vez mais a Região Sul do Brasil.

Respeitando as proporções, pode-se dizer que o que ocorreu no Vale do Taquari é o mesmo que atingiu os moradores das áreas atingidas em SC no final de 2008. A forte correnteza arrastou casas e destruiu histórias, mas felizmente eu pude perceber que nestes momentos a comunidade reúne-se em torno de um objetivo comum e a solidariedade fala mais alto.

Dias após as enchentes que arrasaram com uma comunidade é possível verificar casos interessantes, como do homem que resolveu doar uma geladeira para quem já não tinha mais nada, ou então do empresário que disponibilizou todos os produtos necessários para que seu cliente possa recomeçar o seu negócio após ter perdido tudo.

Casos isolados como esses ensinam com exemplos o quanto cada um é dependente um do outro e como simples atos podem transformar a vida das pessoas. Gostaria que todas estas pessoas que se sensibilizaram continuem ajudando as comunidades afetadas porque reconstruir uma vida a partir do zero é muito mais do que receber apenas roupas novas. Esse processo vai exigir muita energia e quanto mais indivíduos toparem o desafio mais cedo as comunidades afetadas conseguirão limpar a lama que as enchentes trouxeram para suas vidas.

Confiram uma reportagem realizada pela equipe da Univates:

Anúncios

Sensibilidade ou audiência


A importância dos meios de comunicação para o desenvolvimento de uma comunidade é indiscutível. Além de informar, a mídia possui um papel investigativo e que levanta questões que normalmente a população não possui sequer idéia de que possa estar existindo. Em outros momentos, no entanto, os meios de comunicação fazem uso da incapacidade da população em discernir o que é importante e nos levam por horas e horas as cenas de apenas mais uma família brasileira vítima de uma fraca base familiar e que, enquanto as pessoas “comprarem a idéia”, vai ser o filão do momento para vender comerciais e manter as pessoas em frente à TV.No caso das enchentes de SC a mídia, no entanto, está realizando um trabalho diferente. As proporções que a catástrofe tomaram nunca foram vistas antes e, neste caso, a cobertura e o seu papel também assim deveriam ser. Desta forma, temos um Brasil mobilizado, doando alimentos, materiais de limpeza, roupas e dinheiro. Como disse Roberto Justus num especial da Record, as pessoas estão doando o pouco que tem para ajudar.

E assim percebemos um novo capítulo da história do Brasil sendo escrita. Os mais de 80 mil brasileiros que ficaram desabrigados agora percebem que o seu país compartilha a suas dores e está disposto a ajudar na reconstrução não só de suas casas, mas de suas vidas que foram despedaçadas com as enxurradas.

O que me resta é parabenizar o povo brasileiro por esta atitude de união e lealdade com os seus semelhantes. Cabe, agora, transformar essa corrente que se fez em um hábito para transformar tantos outros problemas que o nosso país enfrenta. São aqueles problemas menores, que não dão tanta audiência, mas que somados levam milhões (e não apenas milhares) de pessoas a perder sua dignidade e mendigar por um simples pedaço de pão todos os dias.