A importância dos “cenários” para a gestão


Um dos aspectos mais importantes para a gestão de qualquer tipo de empresa é prever como o seu negócio pode desenvolver-se com o passar do tempo. Alguns podem imaginar equívoco mencionar a palavra “prever”, mas é exatamente isso do que se tratam os cenários. A idéia principal não é avaliar aspectos do curto prazo que podem tornar-se realidade, mas tentar imaginar quais os caminhos que determinado setor pode alcançar baseados em comportamentos possíveis.

A matéria “cenários” ganhou importância quando se percebeu que o simples ato de “planejar” não era suficiente para visualizar como o negócio das empresas estaria num futuro um pouco mais distante, mas não é nenhuma novidade. Grandes chefes guerreiros já possuíam o hábito de imaginar quais seriam as suas ações conforme fossem os desmembramentos da guerra e a modernização disso resultou nas práticas atuais das empresas. O que se teve, no entanto, foram fases em que os cenários perderam importância frente a outros temas que no momento pareciam mais importantes. Para mim, no entanto, a ausência de cenários é decretar a sentença de morte.

O modo trágico como expus a última frase busca enfatizar a sua importância. Não estamos falando de uma nova prática de gestão que virou moda nos EUA e que agora começa a chegar ao Brasil. Estamos tratando de uma ferramenta que infelizmente poucos empresários conhecem justamente por causa dos modismos que se sobrepõe à atenção dos mesmos.

Pela importância dos cenários é preciso dedicar um momento para estudar quais os sinais que o mercado está enviando. Existe alguma lei que está sendo colocada em estudo que prevê novas práticas para resíduos industriais e que necessitará de grandes investimentos? Existe a possibilidade de um insumo importante ser afetado com as variações climáticas? Qual a relação que pode haver entre o seu produto e o amadurecimento da sociedade brasileira?

Estas questões são amplas e dizem respeito a fatores que estão fora do seu controle, mas atingem diretamente o seu negócio na estrutura. São justificativas plenamente aceitáveis para que você reserve um tempo para pensar como elas poderão ser transpostas por ações locais. Como já dizia um professor: “pensar globalmente, agir localmente”. Pode não haver razão para temer as investidas que determinada empresa vem fazendo num país qualquer. No entanto, o estudo de como se deu esse processo pode ajudar a formular medidas para que os impactos não sejam os mesmos quando o alvo for você!