Contrate com “certeza”!


Mais um post daqueles curtinhos, mas que devem ser levados em consideração.

A HSM Management de Janeiro está com uma entrevista muito interessante com o autor Jim Collins, que eu já citei várias vezes por aqui. Nela, o autor enfatiza novamente que as empresas devem contratar as pessoas certas para as funções que possui disponível.

Em outro post, do autor Cameron Herold (disponível aqui), esta ideia é comprovada mais vez. Ele conta que em determinada ocasião passou 3 dias entrevistando candidatos a uma vaga e no final teve que aceitar que ainda não havia encontrado a pessoa correta.

Patience is a virtue when you’re hiring. Be willing to wait for the right person.

Não abuse da sorte. Ao contratar uma pessoa certa você enriquece sua equipe, mas o contrário é igualmente verdadeiro. Vale ter paciência e continuar buscando!

 

Anúncios

A hora da Execução


A edição da Revista HSM Management (nov-dez 2010) traz a discussão sobre um dos assuntos que mais me chamam a atenção nestes últimos tempos: a Execução das estratégias. Muito se fala em inovação, redes de cooperação, mas algumas vezes esquecemos que por trás de tudo isso precisamos de profissionais gabaritados que estejam capacitados e dispostos a executar o que se propõe.

Para Ram Charam, especialista no assunto, o difícil não é criar uma estratégia brilhante, mas sim encontrar um ambiente e pessoas dispostas a colocá-la em prática de modo satisfatório. Isso significa dizer que na maioria das vezes pensamos de modo inverso: primeiro pensamos a estratégia e depois buscamos na empresa condições para executá-la, atitude esta que tem se mostrado equivocada.

O grande problema ao formular estratégias neste modelo é que você pode estar deixando de levar em consideração ingredientes que, na prática, determinam se a organização tem capacidade ou não de executá-las. Por exemplo: se você não possuir uma visão clara sobre o terreno no qual você está competindo e quais as pessoas que você dispõe para executar a estratégia você corre o risco de cair no vazio, não conseguindo transformar em ação tudo aquilo que foi previamente planejado.

É por este motivo que as organizações estão, aos poucos, entendendo que antes de montar uma estratégia mirabolante elas precisam preparar as pessoas que serão responsáveis em executá-las. Prepará-las, neste caso, significa estabelecer uma cultura que promova o comprometimento das pessoas e que valorize (com incentivos) aqueles que geram resultados.

O que resta disso tudo é a certeza de que o planejamento e a estratégia precisam incorporar um pouco “da prática” para que seus resultados sejam satisfatórios. Como disse Florencia Lafuente na Revista HSM, “sobram exemplos de organizações de alto potencial lideradas por executivos inteligentes que fracassaram porque falharam na implementação da estratégia” (página 75)

Lições de um vendedor


Esse post tem o objetivo de ser diferente de qualquer outro que já foi publicado neste blog. E ele diz o seguinte:

Um vendedor tem o DEVER de visitar e oferecer os seus produtos ao seu cliente

Simples assim e sem muitas explicações. Todo aquele que se julga um vendedor deve estar em contato com os seus clientes, oferecendo-lhes o que tem de melhor. Todo o resto acontece a partir desta atitude, mas sem ela as vendas nem começam.

Ponto.