Nossos heróis

Heróis deveriam ser um exemplo, não uma imagem a ser copiada
por Rafael Zanatta

espadaComo você elege os seus heróis? Eles são escolhidos porque são ícones dentro daquilo que você estuda ou trabalha? São personalidades que lhe chamam atenção por alguma coisa? As respostas para estar perguntas podem ser as mais diversas, mas uma coisa é fato: por mais esforço que seja feito você dificilmente vai realmente ser esse herói.

A ideia deste post é discutir um pouco a miopia que pode representar em nossas vidas o contínuo espelhamento que queremos fazer diante de pessoas que admiramos. Tudo bem ter um ídolo, admirar as atitudes dele e buscar faze-las igual. No entanto, é preciso entender que real ou um personagem, esta “pessoa” vive em outras circunstâncias, viveu outras experiências e, por mais que você tente, o máximo que vai conseguir é ser uma cópia barata. Neste caso devo deixar de admirar Jorge Gerdau, alguns dos meus professores ou então o goleiro Julio César?

A resposta, óbvia, é NÃO! Ter ídolos ou heróis em nossas vidas é ter a consciência que precisamos crescer e que, por melhor que sejamos, sempre haverá espaço para aprimorar habilidades. Minha principal crítica, e por isso eu falei miopia, é que muitas pessoas já se consideram muito próximas do que são seus heróis e por isso enchem-se de uma prepotência capaz de fazê-los estacionar. Não há coisa pior do que subjugar novos conhecimentos ou experiências pelo fato de achar que já se sabe o suficiente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s